quarta-feira, 22 de março de 2017




Regresso ás ausências viajando por sucessivas distâncias.
Nos segredos, os murmúrios das paragens imprevistas
A longa imagem do tempo desnuda-se no esquecimento.
Espero todos os dias o reencontro serpenteado na solidão
insolente despida de amanheceres.
Deslizo na noite de esperas e desencontros
Espero por ti, um encontro de mim na longa e inerte ausência









Célia M Cavaco / Desvios








Photo:Mikeila Borgia



domingo, 19 de março de 2017





Sempre sonhei além do inimaginável,por isso ainda sou criança. Ainda adormeço com medo do escuro. Ainda sinto o desconforto de não me cobrires com o cobertor dos afectos tecido no carinho de uma boa noite. Sabes? Ainda sonho que és aquele que idealizei. Só não sei se exististes,ou se inventei-te num sonho meu..







.
Célia M Cavaco / Desvios
19-3-16
...

sexta-feira, 17 de março de 2017









Depois de um tempo infinito escutando o silêncio,os sentidos despertaram para uma direcção inesperada. A máscara negra pendurada na parede pareceu deslocar-se por um vento inexistente. Um rosto esculpido em madeira de pau preto de feições delineadas mostrava a juventude do modelo.Há muito tempo,tanto,que a memória guardou num recanto proibido.De repente; o espaço aqueceu, o cheiro, o calor afogueou-lhe o rosto, o corpo cedeu à temperatura abrasadora na pele virgem de sol.Sentou-se ao lado do jovem que fazia um trabalho mágico como se fosse um artesão experiente.Cada gesto seu era trabalhado pausadamente na madeira com arte e mestria.Tantos anos separados por ventos de distância. Quantos silêncios escritos num conflituoso desassossego fizeram o retorno ao princípio no tempo que foi...







Célia M Cavaco / Desvios






Photo: Carsten Witte

terça-feira, 14 de março de 2017




Nos teus lábios as palavra apaziguam o desassossego
desabrigado pelo vento sem poiso de aconchego.
Inquieto procura abrigo na alçada de um afecto, 
suspirando o meu olhar um beijo doce de lágrimas
e pétalas, o riso de um beijo furtivo.





Célia M Cavaco / Desvios







Há dias em que as palavras se refugiam num silêncio de desencontros. Acordam num abraço de amor sem corpo; numa posição fetal embrulham o amanhecer nostálgico e vazio do lado de nada.Escrevinham no vazio,cada linha é um encontro de palavras ocasionais.Um diário exposto à intimidade.












Célia M Cavaco / Desvios